quarta-feira, setembro 22, 2004

semana PUTA...


Faz tempo que não passo por aqui.
É que de vez em quando o trabalho aperta, e o tempo escapa-se por entre os dedos como água pelo ralo do lavatório.
E nestes últimos dias têm sido tantas as questões a pedir um post...

Só para citar aquelas que melhor recordo:

dia 11
Uma familiar minha, em passeio no norte, sofreu uma queda, tendo sido transportada ao hospital de Braga.
Até aqui tudo bem, não fora tratar-se de pessoa que sofre de osteoporose, diabetes, tem uma prótese de anca, não tem vesícula, tem colesterol elevado, sofre de obesidade e mais algumas coisitas, além de ter 68 anos de idade.
A queda foi violenta, de costas e de uma altura de cerca de 1,5m., o sangue era abundante, as queixas eram muitas, e no hospital a única coisa que fizeram foi coser a cabeça, 10 pontos, e fazer 2 ou 3 rx ao tronco, em que não detectaram nada; nem um rx ao crâneo fizeram — estou a falar de uma pessoa de certa idade e com osteoporose e diabetes, caramba!
Regressada, 2 dias depois deslocou-se ao hospital do SAMS em Lisboa, onde o médico 'analisou' as radiografias, fez apalpação do tronco e também não detectou nada!
1 semana passou e não havia melhoras. Numa deslocação à médica dela, esta escandalizou-se com a ausência de rx ao crâneo, e apelidou os colegas de 'cegos', visto que num simples olhar das radiografias imediatamente detectou 2 costelas partidas, e a hipótese de mais uma ou outra numa zona escura!
2 hospitais, 3 médicos, uma catrefada de medicamentos desadequados, 1 semana de sofrimento...

dia 16
Faleceu o pai de um amigo meu. À medida que a idade vai passando, estas coisas vão-se tornando cada vez mais frequentes. Coisas assim já aconteceram a todos nós, certamente.
Mas este não foi um caso qualquer. Era o pai de um amigo especial e, por isso, era um pai especial. Era alguém por quem eu tinha um certo carinho.
Os problemas de saúde duravam há alguns anos, operações, transfusões, etc., e eu esperava um dia destes conseguir visitá-lo na casa dele para lhe dar um abraço. Nunca surgiu a oportunidade. Fica aqui o meu abraço ao Mário Peres.

dia 20
Deviam ter saído as listas com as colocações dos professores. Não saíram. E só Deus sabe a angústia e a dor que tem pairado nesta casa desde esse dia.
Horas e horas em frente ao computador a tentar entrar no site — a entrar sim, mas pela madrugada dentro — e aquela maldita mensagem 'devido ao elevado número de acessos ... impossível, por favor tente mais tarde', ou simplesmente o NADA. O ZERO absoluto. A ausência de informação. A ausência de listas. A presença das incompetências!

Porra, tem sido uma semana PUTA!

6 comentários:

Anónimo disse...

Mais uma vez, falta de estatuto ontológico.

Bibliografia:

Heidegger, "Sein Und Zeit", II... e seguintes.

...E não me venhas com a história dos nazis!!!... Estou SÓ a falar de "mais algumas coisitas, além de ter 68 anos de idade."

'Braços,
Val

José António disse...

Não sei se é do adiantado da hora, 03:10, mas não percebi o teu comentário.

Estás a querer dizer o QUÊ !?

Abraço.

Anónimo disse...

'Tou a falar que as pessoas de 68 anos de idade - como tu e eu haveremos de descobrir daqui a uns anitos - têm coisas que nem sempre é defeito dos médicos descobrir o que é.

A morte aproxima-se a passos largos e o corpo é o primeiro a dar sinais. Não há remédio para a morte - felizmente! Eu detestaria ser eterno!!!...

José António disse...

Val:

Acho que não percebeste o sentido crítico do meu post. Eu não coloquei a questão da inevitabilidade da morte, mas sim da incompetência médica.

É das normas, em qualquer atendimento de urgência de qualquer hospital, que uma pessoa, independentemente da idade, que tenha dado uma pancada violenta com a cabeça seja radiografada ao crâneo. Tanto faz que tenha 5, 15, 25 35, ..., 95 anos. Há SEMPRE que averiguar as consequências internas da pancada. E isso NÃO foi feito. Para mim, por incompetência médica.

Assim como também considero incompetência médica 2, DOIS, médicos que não sabem ler radiografias (que se calhar até tu lias...). E que com esta incompetência obrigaram um doente a uma semana de dor e sofrimento.

Nada disto tem a ver com envelhecimento e etc. Tem a ver com a qualidade do atendimento de urgência.
O que os gajos estão é a CAGAR-SE para as pessoas. E nós a pagarmos. Para termos um serviço de saúde que é uma anedota.
Reza aos teus santinhos de devoção para nunca caires nas mãos destes médicos (com minúscula)!!!

Anónimo disse...

Zé,
tu é que não percebeste.

EU nunca fui atendido por médicos incompetentes nos bancos de urgência (de todas as vezes que lá 'tive de ir, repito: TODAS); Nunca tive médicos incompetentes em qualquer serviço de saúde onde estive inscrito (e já morei em três locais difrentes); Nunca fui mal atendido ou mal apoiado por enfermeiros, médicos, ou outro pessoal qualquer que trabalhe num hospital - banco de urgências ou não! - ou centro de saúde.

Fosse com que governo ou ministro fosse!

Mas, pelo que oiço por aí, devo ser o único!...

...Ou então, o resto do pessoal é muito mentiroso!!!...

Um abraço,
Val

José António disse...

És o único...

Abraço,