segunda-feira, abril 25, 2005

DECLARAÇÃO

Na madrugada do dia 25 de Abril de 1974, o Movimento das Forças Armadas, comandado pelo Capitão de Cavalaria Salgueiro Maia, jovem de 30 anos de idade, desencadeou uma operação militar cujo objectivo foi o derrube do governo fascista, objectivo esse concretizado rapidamente e, podemos dizê-lo, 'facilmente', tal a instabilidade e falta de apoio do mesmo, nomeadamente no seio das Forças Armadas.

Sempre que se refere esse acontecimento histórico, ele é mencionado pela expressão "O Vinte Cinco de Abril".
Ora "25 de Abril" é meramente um dia de calendário que acontece todos os anos. E não só em Portugal...

Ao fim destes 31 anos, sinto esta expressão desgastada e, sobretudo para as gerações mais jovens, sem significado.
A expressão adquiriu um tom nostálgico e revivalista, que é anti-pedagógico e não lhe dá o devido valor e enquadramento histórico.
Por estes factos, para marcar com maior ênfase aquele acontecimento, e dar-lhe a individualização e o rigor histórico que ele tem e merece ter, declaro que passo a utilizar, sempre que a ele me referir, uma expressão que já utilizei em prosas passadas.

Concretamente, referir-me-ei aos acontecimentos ocorridos na madrugada de 25 de Abril de 1974 por: A ACÇÃO CAPITÃ DE 1974.

josé antónio, Oeiras, 25 de Abril de 2005.

terça-feira, abril 19, 2005

finito

Talvez me engane mas... acho que é o THE END deste filme com 2000 anos!

Senão o the end, pelo menos o princípio dele.
Este Ratzinger pode aparecer agora com cara de anjo. Suspeito que se tratou de fachada para conquistar o poder. Aliás, não me canso de dizer: eles andam aí...
Avizinham-se tempos difíceis para a Igreja, que bem poderão significar o fim dela.

Um Papa conservador e reaccionário é igual a um Papa fundamentalista.
Isto não vai contribuir em nada para aproximar as pessoas, não só os fiéis ou crentes, mas as pessoas todas, da Igreja. Bem pelo contrário.
Isto lembra-me a atitude dum certo partido político português...

p.s. para o novo Papa: HEIL FUHRER...

domingo, abril 17, 2005

há dias assim...

Estou com um tremendo apetite para escrever alguma coisa. Apenas não sei o quê. Abri o Blogger e fiquei a olhar para a janela de post sem saber o que fazer.
Acontece-me o mesmo ao olhar para a porta de vidro que tenho aqui ao meu lado direito. Vejo a rua, o dia está cinzento, as nuvens criam um tecto esbranquiçado e brilhante que fere os olhos, os carros estão estacionados no parque privativo da torre ao lado, amontoados de metal, plástico, vidro e borracha, a encher o ego amorfo duns quantos palhaços sem noção do ridículo, quase percebo o mar, que não vejo daqui, lá ao fundo na praia, cinzento como o céu, apetece-me que me façam um broche, imagino as ondas a trazerem até à areia toda a espécie de lixo e porcaria, muita de origem humana, cagalhões a rolarem nos calhaus, talvez a saciarem a fome de algum bicharoco, a essência humana a desfazer-se em merda neste mundo de cornetas gregas sem consciência de o serem, esta porra nunca mais acaba, onde andará Fernão?, será que os beduínos ainda estão junto da mesma árvore?, quem dorme a esta hora do dia são as putas e os chulos, trabalham de noite, os que não trabalham de dia, lavam os corpos com esporra, dizem que torna a pele mais fresca e bela, sem borbulhas, coisas das hormonas, e a conta da luz para pagar, caralho, tenho que trabalhar, quem não trabuca não manduca, quem manduca fica obeso, os obesos são gordos como potes, e esta prosa parece escrita por um esquizofrénico, o sol nunca mais desponta, peguem o toiro pelos cornos, em pontas, toiros bailarinos a dançar em pontas, bardacaca, bardachicha e bardaporra, para não dizer BARDAMERDA!!!

Há dias assim...

segunda-feira, abril 04, 2005

cultura

conjunto dos padrões de comportamento, das crenças, das instituições e de outros valores morais e materiais, característicos de uma sociedade

in: dicionário Priberam Informática - Língua Portuguesa On-Line
http://www.priberam.pt/dlpo/dlpo.aspx

sábado, abril 02, 2005

noticia necrológica

Karol Wojtyla morreu.

Paz à sua alma.

qu'é feito dos homens!?

Só por curiosidade, fiz uma busca no MSN Paquera (pessoas que procuram outras pessoas para fins de amizade...). Nunca tinha ido a um sítio destes, pois amigos e amigas tenho em número suficiente (poucos mas bons) e, para outros fins, também não tenho razões de queixa.
Mas estava curioso em ver o resultado de uma pesquisa destas e assim fiz. Pus como critérios de busca apenas: entre 40 e 50 anos e em Portugal. O resultado surpreendeu-me, ou talvez não!
Surgiu-me uma lista com um total de 214 mulheres, maioritariamente divorciadas, separadas, solteiras, e algumas viúvas.

É caso para perguntar: Que é feito dos homens!?

Agora a sério:
É impressionante a solidão em que as pessoas vivem. Já aqui o tenho referido.
Quanto mais, melhores e mais rápidos meios de comunicação temos, menos comunicamos uns com os outros, e mais isolados vivemos, fechados no nosso interior, incapazes de exteriorizar o nosso ser, por falta de um receptor francamente aberto a essa exteriorização.
Não admira, então, que alguns dos cursos que hoje dão melhores garantias ao estudante de uma futura vida profissional segura e profícua, e que garantam bons rendimentos, sejam os de Psiquiatria e Psicologia... Há cada vez mais pessoas a recorrer, ou a necessitar de recorrer, à psicoterapia.

Numa relação causal, de causa-efeito, atribuo a causa ao ritmo alucinante em que se vive hoje em dia.
As pessoas correm desabridamente de um lado para o outro, sem tempo para nada. Sobretudo sem tempo para pararem um bocadinho e pensarem em si próprias. Bastaria isso, pensarem em si mesmas, para que pensassem nos outros. Pois ao pensarem em si mesmas e baixarem o ritmo, teriam tempo para estar com os outros.
Baixar o ritmo para poder fruir a vida. Viver como se tivéssemos todo o tempo do mundo (e temos...) e não como se o mundo fosse acabar amanhã. Perceber que não temos que viver tudo no mesmo dia, e que o amanhã existe.

A minha canção preferida é do Pedro Abrunhosa e tem por título: É PRECISO TER CALMA.

sexta-feira, abril 01, 2005