segunda-feira, setembro 28, 2009

atentado terrorista de lesa-património natural e paisagístico



Um sinistro 'atentado terrorista', de contornos quasi kafkianos, foi e continua a ser perpetrado por energúmenos - que outra coisa lhes poderei chamar?! - que se auto-denominam arquitectos e engenheiros na Escola Secundária Sebastião e Silva - o antigo e nosso mui estimado e amado Liceu de Oeiras!

Sim, esse, o das grandes e belas recordações da nossa adolescência. Das nossas ambições, dos nossos êxitos e fracassos, dos nossos sonhos, do nosso experimentar e testar as pessoas, a vida e o mundo, dos nossos namoricos efémeros, da nossa vida enfim.



Inaugurado em 18 de Outubro de 1952, este estabelecimento de ensino, de grandes tradições, era até há poucos dias, um dos melhores exemplares da arquitectura de Estado Novo para esta tipologia de edifícios.


Ao longo dos seus 57 anos de existência, poucas ou nenhumas foram as alterações que lhe fizeram na traça original, pelo que qualquer estudante de arquitectura ou história o podia utilizar como modelo de arquitectura da mencionada tipologia.

A maioria das alterações passaram apenas por construção, efémera, de pré-fabricados e pequenos acrescentos nos pátios exteriores.


O triste e funesto drama que o Liceu de Oeiras está a viver conta-se em poucas palavras:

O Ministério da Educação decidiu - 2007 ou 2008 - promover obras de melhoramento no edifício, e avançou com um projecto de intervenção. Não foi questionada a justeza do mesmo, pois o edifício apresentava alguns aspectos de degradação interior, como humidade, e necessitava de intervenção para melhorar as condições de trabalho.

O projecto foi aprovado pela autarquia e as obras avançaram, cremos que em meados de Agosto último.


O que ninguém augurava é que a coberto dessa intervenção, que se pensava seria apenas no edifício em si mesmo, em particular e só no interior, se assistisse a uma intervenção também nos espaços exteriores, na envolvente paisagística, nomeadamente nos pátios, densamente arborizados com magníficos espécimes de árvores - amendoeiras e tílias, p.ex. -, também elas sem dúvida, além do edifício, património, pois estavam perfeitamente integradas na paisagem envolvente do edifício, sendo que muitas, não duvidamos, pelo seu porte seriam da data de construção do Liceu - 57 anos, recordemos. Ora acontece que diversas destas espécies foram abatidas, arrancadas, e outras têm o mesmo destino prometido. Fala-se em números que rondam os 130 exemplares de árvores arrancadas!!


Que os espaços exteriores pudessem ser alvo de alguns melhoramentos, aceita-se e compreende-se.

O que consideramos um verdadeiro acto de terrorismo é o corte daqueles belos e enormes exemplares de espécimes arbóreos, cada vez mais raros na nossa paisagem. Árvores perfeitamente integradas nos espaços a que pertenciam, e que proporcionavam abrigo nas suas copas a centenas de avezinhas que as procuravam, quer para construir ninhos, quer para se alimentarem de insectos, assim como abrigavam as pessoas da chuva, que as procuravam em chuvosos dias de Inverno, ou do sol inclemente nos dias quentes de Verão.


Ficam aqui algumas fotografias do Pátio da Amendoeira, antes e depois do atentado, onde se pode apreciar a profusão e diversidade de espécimes que existiam e desapareceram:



Mais fotografias podem ser vistas no Flickr:


- Fotografias do Liceu ANTES das obras, em várias datas: http://www.flickr.com/photos/42019201@N05/sets/72157622459745684/


- Fotografias do Liceu AGORA, após início das obras: http://www.flickr.com/photos/42019201@N05/sets/72157622336707297/


nota 1: Está a correr um abaixo-assinado (papel) sobre este tema.


nota 2: O programa "Nós por Cá" da SIC esteve na ESSS, após lhe ter sido feita uma denúncia, e aguarda-se que a reportagem seja exibida.


nota 3: Foi igualmente efectuado um contacto com a Quercus, aguardando-se desta uma resposta.


Sobre a história interessantíssima do vetusto Liceu Nacional de Oeiras, clique aqui.


Aceda também à Associação de Antigos Alunos e Amigos do Liceu Nacional de Oeiras / Escola Secundária Sebastião e Silva, aqui. Se lhe agradar e for do seu interesse, convidamo-lo a registar-se no site.


Não fiquemos indiferentes aos desmandos desta corja de tecnocratas despudorados e sem rumo que destroem o nosso património natural !!


quarta-feira, setembro 09, 2009

o excelso sentido cívico do tuga...


Estes restos de mobiliário com algum volume foram deixados ontem de manhã ou à tarde próximo dos contentores de lixo, na Rua da Quinta da Serra, na Quinta do Marquês em Oeiras, vá-se lá saber por quem.

Para dar uma melhor localização, esta rua está paredes-meias com o Pingo Doce de Sassoeiros, por trás da Quinta da Serra, que dá o nome à rua.

Junto deles estavam também uns cortinados que, esses, depressa levaram sumiço. Mas o resto ficou a emporcalhar o passeio e a transtornar os transeuntes.


De noite passou o carro da recolha de lixo, passa por volta das 03h da madrugada, que é claro não recolheu esta tralha pois não é da sua competência ou interesse. Talvez, na melhor das hipóteses, e é só uma suposição, um dos homens da recolha avise os colegas que fazem a recolha de grandes volumes, que passa, creio, às quintas-feiras, para passarem por ali. Quem sabe? Pode ser que sim, pode ser que não...


Seja como for, todo o munícipe sabe que lixo destas dimensões e natureza não é recolhido pela recolha de resíduos domésticos e deve ser colocado em dia próprio e a certas horas na rua.


Será que é ignorância ou é mesmo e só falta de civismo?!


Note-se que não falo de uma urbanização 'pobre', da classe baixa, média-baixa ou média. Esta rua situa-se numa urbanização maioritariamente habitada pela classe média / média-alta.

Faço também notar que situações como esta e mesmo mais importunas, com objectos de dimensões maiores e em maior número, são frequentes nesta zona e não só no local aqui considerado.


fotografia 09-09-2009, 15h37 © josé antónio • comunicação visual


filosofando à marretada...


Lavar a alface pode ser considerado uma ablução alfacinha? De carácter místico-religioso-filosófico?


E se, para além disso, a alface vier embrulhada numa folha dum jornal matutino e formos lendo esta folha ao mesmo tempo que lavamos a alface, isto pode ser visto como uma assumpção plena do mais puro hegelianismo?




fotografia © josé antónio • comunicação visual


um olhar sobre o 7.º planeta...


... a contar vindo de Oríon.



Este post é só para partilhar convosco estas duas fotografias que tirei ontem no Largo Henrique de Paiva Couceiro, junto à estação de Oeiras da CP, no qual estavam a decorrer obras na via pública.


Não teço comentários. Apenas olhei... Gostei do que vi... Fotografei!

Espero que vos agradem.




fotografias © josé antónio • comunicação visual


terça-feira, setembro 08, 2009

soberania



Neste caso da Manuela Moura Guedes e do Jornal da Noite da TVI, o que me está a deixar incomodado e intrigado, não é o xô Sousa, a Manela, com quem nem simpatizo aliás, o primo, o tio, o Louçã, o Jerónimo, o Portas, a Leite, o Cavaco... ou o raio que os parta a todos, quer de esquerda, quer de direita, como diria o Ramalho Eanes que em matéria de carácter e dignidade limparia o cu com estes politicozecos da treta, digo eu que gosto de dizer coisas..., mas uma outra coisa que considero perversa e muito perigosa.


Sendo a TVI uma empresa privada, o que é certo e nesse sentido pode fazer o que quiser - com alguns limites como deixou bem claro o Mário Bettencourt Resende no Jornal da Noite na SIC creio que de 3 de Setembro - a verdade é que a informação jornalística é um serviço público e neste sentido é um direito dos portugueses na democracia que mal ou bem temos.


- Com que direito é que uma empresa espanhola ingere naquilo que é a democracia de um estado soberano e o direito de um povo soberano?!


- Com que direito é que os espanhóis determinam como deve ser a democracia portuguesa e os direitos dos portugueses?!


- O Estado português "cala e consente"?!


Ficam as perguntas.


nota: Não há da minha parte qualquer xenofobia ou intenção de dar continuidade ao ancestral lema que de Espanha nem bom vento nem bom casamento. São espanhóis como podiam ser alemães, búlgaros ou burkina-fassenses... a questão prende-se com soberania!


Já agora fica também esta notícia:


sexta-feira, 4 de Setembro de 2009 | 08:30


TVI: Ordem para afastar Manuela veio do patrão da Prisa

Foi o patrão da Prisa em Madrid, Juan Luís Cebrián, quem telefonou de Espanha para o director de informação da TVI, João Maia Abreu, ordenando o afastamento da jornalista Manuela Moura Guedes e do programa que apresentava, o Jornal Nacional de sexta-feira, dos ecrãs do canal de Queluz.

Segundo avança o semanário Sol, a decisão foi tomada ao final da manhã de quinta-feira e comunicada, de imediato, por Maia Abreu, a Manuela Moura Guedes. Que, por sua vez, já assumiu estar surpreendida com a decisão.

O título garante ainda que o spot de promoção ao programa já tinha, de resto, causado mal-estar na administração, por usar imagens do bastonário da Ordem dos Advogados, Marinho Pinto, e de José Sócrates, com a frase «Neste jornal não se mudam linhas editoriais». [ daqui ]



segunda-feira, setembro 07, 2009

mundo cão I


Família Jackson alugou Rolls Royce para ir a enterro... ler aqui.

Pagou o defunto... digo eu que gosto de dizer coisas...

quarta-feira, setembro 02, 2009

as coisas que me passam pela cabeça... I


Quando vou à sanita fazer uma mija ponho os óculos de aumentar. Vejo a pila maior e isso sobe-me a auto-estima!

nota: Estes pensamentos são mesmo meus. Aparecem de súbito no meu espírito, por uma qualquer razão insondável que não pretendo explicar. Não são citações de ninguém.