terça-feira, dezembro 05, 2006

a foto da minha vida

.

Todos aqueles que fotografamos queremos fazer A FOTO...

Tiramos dezenas de milhar de fotografias ao longo da nossa vida. Sempre em busca daquela foto...
Que nunca alcançamos porque somos demasiado exigentes e isto coloca-a num patamar inalcançável.

Até que olhamos para o nosso grosso e pesado acervo fotográfico e percebemos que nunca faremos a tal fotografia, pelo simples motivo de que... já a fizemos!

Essa que é a fotografia da nossa vida. A FOTO!
Aquela que sintetiza todo o nosso ser, a nossa essência.
Mesmo que tecnicamente nem seja das melhores, isso é um pormenor de somenos. O que conta é que ela expressa tudo o que somos e tudo o que temos dentro de nós, todas as nossas emoções e sentimentos, todas as nossas visões, toda a nossa paixão pelo mundo.

À foto da minha vida, tirada num dia invernoso de chuva, na Praia da Torre, no dia 11 de Dezembro de 1984, dei, há muito tempo, o título

fernão capelo gaivota

CLIQUE PARA AMPLIAR

fotografia: © josé antónio 2006


17 comentários:

pianola disse...

Parabéns pela fotografia. Bom dia.

Não gosto do Natal com férias no Brasil, idosos abandonados nos corredores dos hospitais, gente a dormir na rua.

José António disse...

Olá pianola,

Grato pelos parabéns.
Fico feliz por saber que a foto lhe agradou.

Quanto ao resto, o mais de acordo possível.

Abraço,

Isabel Magalhães disse...

a morte é tão triste... tão cheia de vazio...


e Veneza é tão triste 'au temps des amours morts'....




(gosto de ir à praia no inverno - até com neve - ouvir os gritos das gaivotas.)

A foto... BELÍSSIMA!



bjs.
I.

José António disse...

Olá Isabel,

Não é por acaso que esta foto tem este título.
É o mesmo de um dos romances (Richard Bach) que mais me impressionou na minha vida.

Às vezes sinto-me o Fernão...

bjs,

Sulista disse...

A foto é mt boa mas a visão (pessoal) que guardei do F.C.Gaivota é a oposta:
vivo e em 'altos vôos'! ;-)

ps-eu ainda não tirei a foto da minha vida....esse perficcionismo só acaba qd eu acabar ;-)

beijinho Grande

Sulista disse...

...perfeccionismo, claro.

José António disse...

Olá Sulista,

Concordo contigo nessa visão do livro. Foi o que ele me transmitiu, mas sobretudo deu-me a ideia da luta constante, do esforço permanente para vencer os obstáculos. Neste sentido a obra é uma lição maravilhosa.

Acontece é que mais tarde, a minha vida levou-me a perceber que chegamos sempre a um ponto sem retorno na nossa luta e que existe um fim inevitável para tudo. Para a própria vida.


Esta foto, curiosamente, é um pouco fruto do acaso. Eu andava a passear com amigos e tinha uma máquina comigo. Que, se não me falha a memória, era uma reflex que me tinham emprestado (eu ainda não tinha nenhuma e funcionava assim). E a cena comoveu-me e estimulou-me a fotografar.
Para mim a textura molhada, quer das penas quer dos grãos de areia, valoriza muito a imagem. O resto é emoção pura ante a morte dum ser vivo que me simboliza a liberdade (a gaivota).

p.s.: talvez já tenhas tirado A FOTO... e ainda não o tenhas percebido. Talvez não. Isso diz-te respeito apenas a ti e ao teu ser.

bjs,

Sulista disse...

«mais tarde, a minha vida levou-me a perceber que chegamos sempre a um ponto sem retorno na nossa luta e que existe um fim inevitável para tudo. Para a própria vida.»


Percebo melhor do que possas imaginar MAS,
não posso aceitar isso amigo.
...seria a morte da artista ;-)
E isso, recuso-me!

ps- inspiraste-me a pôr lá no bloguito uma das músicas do filme...é um CD que ouço ainda hoje em dia ;-)

beijinho

José António disse...

Olá Sulista,

Atenção que eu não disse que se deve desistir de lutar. O que afirmo é que há uma altura em que descobrimos que a luta acabou.

Não me digas que acreditas que a morte não é o fim?

bjs,

Sulista disse...

Ó amigo ná é nada disso. Ou por acaso consideras-te morto?
...para afirmares:

«que há uma altura em que descobrimos que a luta acabou.»

...isso é qd estamos a morrer.

;-)
Bjoca

José António disse...

Amiga,

É precisamente isso...

Há é muitas maneiras de morrer, algumas bastante lentas e pelas quais quase não damos.

bjs from Hueiras,

Sulista disse...

Eu sabia que era isso.

Meu amigo, querido, não te deixes ir por aí! Termos pena de nós próprios é um péssimo caminho.

Com amizade e mts beijinhos
Maria João

José António disse...

Sulista,

"... Termos pena de nós próprios é um péssimo caminho..."

Eu não estou a ter pena de mim, nem a "ir por aí".

Estou a racionalizar uma questão, como sempre faço, anulando alguns filtros emotivos que toldam a capacidade de análise e esse é um deles (pena de nós próprios).

Lutar por um objectivo é como atravessar uma ponte. Se tudo corre bem, alcançamos o lado de lá, o objectivo. Se acontece algum percalço (fora do nosso controlo), como a ponte ruir, ACABOU!
Já não alcançamos o objectivo que nos propusemos.

Mesmo que existam outros caminhos, e acredito sempre que sim, aquele primeiro caminho chegou a um beco sem saída. É o que eu chamo uma forma de 'morte'.

Pensa por exemplo numa pessoa que devido a uma doença ou um acidente fique com cegueira total.
Essa pessoa pode (e deve) procurar caminhos para continuar a viver e descobrir formas de o fazer o melhor possível.
Contudo, ao cegar, houve uma coisa que MORREU dentro dela, que é irrecuperável. E que nunca mais renasce, a menos que se acredite em milagres (eu acredito).

bjs,

Sulista disse...

POis José, só que isso que tu descreveste, já sabes há muito tempo. Era suposto, então, já teres ido por outro caminho 'secundário' né amigo?

Beijinho Grande Homem!

ps-Mera curiosidade:
pq é que na blogosfera retornaste a me tratar só por 'sulista'? :-)

José António disse...

Sulista-Amiga-Maria João-Bonnie of the South-Oh rapariga! - à escolha :)

"Era suposto, então, já teres ido por outro caminho 'secundário' né amigo?"

Não percebo que assumas esta ideia sobre mim. Olha que não me conheces assim tão bem. Há décadas que procuro caminhos, sem nunca desistir. E encontrei vários. :)

"ps-Mera curiosidade:
pq é que na blogosfera retornaste a me tratar só por 'sulista'? :-)"

Nenhuma razão especial. É como estar com uma pessoa. Às vezes trato-a pelo nome e no minuto seguinte estou a tratá-la pelo diminutivo, ou pela alcunha. Acontece. Não te melindres por isso.

bjs,

josé antónio-Zétó-Caracol-Tolas-Carolas-Jazzman d'Hueiras-Crazy Fucking Bastard-ETC.-e por aí fora... AHAH

Sulista disse...

josé antónio-Zétó-Caracol-Tolas-Carolas-Jazzman d'Hueiras-Crazy Fucking Bastard-ETC.-e por aí fora... AHAH

a piada tb tá aí...em não conhecermos a 100% alguêm. Aliás, ninguem conhece ninguem a 100%
Ehehehehehe...

Etsou a gostar mais de te ver assim, já a reinar ;-)

BjOcas
da south lisboeta alfacinha e tudo!
:-)))))))

José António disse...

Hi, south lisboeta alfacinha e tudo,

Nem a nós próprios nos conhecemos, né?

p.s.: Alfacinha? Não tens medo dos grilos...? ;)

bjs,

josé antónio-Zétó-Caracol-Tolas-Carolas-Jazzman d'Hueiras-Crazy Fucking Bastard-ETC.-e por aí fora... :)))