segunda-feira, junho 14, 2004

hoje

O amanhã de ontem é o ontem de amanhã.
O ontem não existe. Nunca existiu. O amanhã não existe. Nunca existirá.
Ontem e amanhã são apenas os nomes que damos à barreira que nos separa da eternidade. São apenas uma ilusão. Uma ilusão que inventámos para conseguirmos suportar e conviver com a nossa incompetência. A incompetência que manifestamos em permanecermos na plenitude do tempo sem princípio nem fim. Do tempo sem tempo, que não é tempo.
O tempo não existe. Só existe o presente. Só existe o hoje, o aqui e o agora. E por isso temos que o viver sem pressas e sem atritos ou ressentimentos. Não há para onde ir. Só há o permanecer, o estar e o ser.
Para quê a pressa? Pressa de quê? De chegar ao nada?

3 comentários:

Anónimo disse...

LEITURAS DE REFERÊNCIA:

KANT, C.R.P., I, 1ª Parte, 2ªSecçâo, §§ 4-8

...Sabes ler, não sabes?!...

Contra, Sempre

José António disse...

Deixa lá o Kant em paz, que não é para aqui chamado.
Relê mas é o que eu escrevi e aprende alguma coisa, além disso que julgas saber.
Nota que eu estou 'para além...'
E se não perceberes isto nunca compreenderás nada do que eu digo.

Já que sugeres leituras, também sugiro uma: 'Natureza e Espírito' do Gregory Bateson (se tiveres a certeza que SABES ler...) :) :) :)

Isabel Magalhães disse...

Olá desconhecido conterrâneo!
Vim retribuir a visita e agradecer o comentário.
Quanto a mim - OEIRAS, vale a pena! Até somos dos que mais foram votar Europa.
Apareça... e vamos trocando teclas! :)))