sábado, agosto 11, 2007

o desafio...

.
Há desafios que me desafiam mesmo...
Este é um deles e foi-me lançado pelo Amigo Rui Freitas do blog PINHANÇOS DIXIT... que está AQUI.

Segundo o que me foi dado perceber, trata-se de deixar aqui expostos 'os sete livros da minha vida'.
Questão difícil sem dúvida dada a volatilidade do meu temperamento e do meu carácter e dos meus interesses.
Se há coisa que me define é o interesse por tudo, o casual e temporário quase obsessivo interesse por algumas temáticas, e o volatilizar-se súbito de muitos deles substituídos que são por outros.

Claro que assim sendo, ao longo dos meus (já quase) 51 anos de vida, li não dezenas mas largas centenas, senão milhares, de livros de todos os géneros, cores, pesos e formatos.
Torna-se assim difícil dizer qual ou quais os livros da minha vida, sobretudo aquele que mais me marcou.
Não sou fundamentalista e procuro não ser preconceituoso e estou sempre disposto a aprender e apreender coisas novas que possam contribuir para me tornar uma pessoa melhor.
Sempre procurei nunca tomar nenhuma obra como 'O LIVRO'... Todas elas, de alguma forma ou de outra, até por vezes pela negativa, foram importantes para a minha formação humana e humanista.

Poderia citar os Cinco da Blyton, obras da puberdade, a quase totalidade das obras de Jules Verne e as centenas de livros de BD belga que tenho, leitura predilecta da adolescência a par dos romances de ficção científica da colecção Argonauta, todas as dezenas de obras políticas do meu período 'revolucionário', as obras sobre Arte, Desenho e Design, os romances de ficção científica da Caminho, muitos e muitos policiais a par com grandes clássicos da literatura portuguesa e estrangeira, as obras de autor de Filosofia, etc., etc., etc., que a minha ânsia de ler nunca teve fim e apenas lamento as minhas limitações visuais de hoje que tantas dificuldades me causam na leitura.

Mas há sem dúvida algumas obras que se sobrepõe às outras, nem que seja pelo entusiasmo com que as li e pelo tremendo gozo que me deram ao lê-las. Sobretudo abriram-me o espírito para um mundo diferente e novo, para uma realidade desconhecida que se afirmava no imperativo que sobre mim era lançado.
Não vou tecer comentários 'profundos' sobre cada obra, caso a caso. Prefiro que sejam vocês a imaginá-los, sobretudo aqueles me conhecem bem.
Vou então deixar aqui a mini-selecção, de entre... centenas de possibilidades!!
A ordem é apenas cronológica, a dos anos em que os li. CLIQUE NAS MINIATURAS PARA AMPLIAR.

1974
Por vezes pareceu-me tê-lo finalmente encontrado, mas...
Continuo a procurá-lo dentro de mim...

1987
Não se vive verdadeiramente enquanto
não se tem uma como referência.

1988
O Bateson é um brincalhão... cheio de senso pedagógico.
Saber pensar com lógica e bom senso.

1993
E a dualidade mostra-se afinal um mito, um erro de raciocínio.
Além de Bem e Mal, é como eu procuro sempre estar...

1995
A superação do meu drama pessoal, logo seguido de "O Sentimento de Si" e "Ao Encontro de Espinosa", e à espera dos vindouros.

1996
Aprender a ver com olhos de ver e a rever e a reler.
O início duma apaixonada relação sem fim nem termo com Eco e o universo dos conceitos.

1998
Ver e perceber para lá da superfície enganadora. Onde reside afinal a realidade? Onde moram os objectos que vemos?

A estes SETE MAGNÍFICOS acresce um que não posso deixar de citar. Não o tenho, foi-me emprestado por um amigo, mas ainda não perdi a esperança de o adquirir.
Falo de AS CONFISSÕES de STO. AGOSTINHO.

E como é da praxe nesta coisa de desafios, passo agora a 'bola' a 5 outros bloguers, para ver o que vai acontecer:

À Menina_marota do Menina Marota
À Isabel Magalhães do À Rédea Solta
À prima Caracolinha do Snail Tale
À Sara do SaraMM
À R. Dias do arghhh

A inevitável citação final:

"Uma casa sem livros é como um corpo sem alma"
Cícero

.

15 comentários:

Rui Freitas disse...

Amigo Zé António,
Sabia que não iria resistir ao "desafio" e, por isso, retribuo o Abraço.

José António disse...

.

Caro Amigo Rui Freitas,

Desafios destes são completamente irresistíveis... :)

Outro Abraço,

.

r.dias disse...

http://arghhh.blog.com/2001797/

Lamento a vulgaridade dos gostos.
Cumps ;)

José António disse...

.

Cumps,

.

Menina_marota disse...

Uma manancial de preferências...

Bem... estou a distrair-me com o trecho da Carmina Burana... (que eu adoro!), mas vamos lá então...no meu blogue Eternamente Menina, http://www.mgrande.com/weblog/index.php/eternamentemenina/

irás encontrar a resposta a este desafio, que me foi lançado pela Pink...mas fico muito sensibilizada por te teres lembrado de mim...por isso irei fazer referência a ti, no mesmo post...

Grata pela tua gentileza, um abraço carinhoso ;))

José António disse...

.

Olá Menina_marota,

São mais do que simples preferências.
São obras que foram fundamentais para ajudar a superar momentos específicos da minha vida, alguns muito dramáticos.

Vou então visitar o Eternamente Menina para conhecer um pouco mais sobre ti, que és uma referência na 'minha' blogosfera — a blogosfera que eu visito e que me acompanha na minha solidão, na minha 'tragédia de um homem ridículo'...

Grande beijoca,

.

Cândida disse...

( )

Caracolinha disse...

Querido primo ... obrigada pela partilha ... o desafio não foi aceite pelo simples motivo de já ter sido respondido ... mas o agradecimento está lá ... :)

Beijoca encaracolada priminho !!!!

José António disse...

.

O.K., super-prima Caracolinha.
O desafio é isto mesmo, um desafio. Não é uma obrigação.
Vou à tua casquinha dar uma espreitadela.

Grande beijoca,

.

Isabel Magalhães disse...

O desafio não está esquecido...! :)))


Vim apenas agradecer... aqui!



bjs
I.


o scriptum - Do que 'sei' de ti a tua selecção tem TUDO a ver. :)

José António disse...

.

Olá Isabel,

Eu sei que não está esquecido e que um destes dias aí vem a resposta ao mesmo.
Obrigado pelo lembrete.

Quanto ao 'ter a ver', o problema deste género de coisas '5 de', '7 de', ou qualquer outro número é que deixamos sempre muita coisa de fora.
É extremamente difícil estabelecer um critério de escolha.
Se o critério for, p.ex., os que mais prazer deram a ler, então aí teria uma lista interminável de livros de ficção, de design, de desenho e pintura, de fotografia, de páraquedismo, etc.
Se for os que mais gozo me deram quando mos ofereceram, então a lista é outra, assim como outra é se forem os que me ajudaram nos momentos mais duros da minha existência, ou mais companhia me fizeram, ou mais me ajudaram a suportar a solidão, ou mais me ensinaram sobre o mundo e os homens, ou mais... etc., etc., etc.,

Há é sempre alguns que são referências incontornáveis e às vezes nem é pela obra em si.
Um que ando a ver se consigo encontrar para o dar a ler aos meus sobrinhos é "O Homem Que Calculava" de Malba Tahan, que li quando criança, emprestado por um padrinho, infelizmente desaparecido, padrinho que foi uma importante referência na minha vida como imagem de homem inteligente, culto, prático, íntegro e justo - era fotógrafo profissional e foi quem me ofereceu a minha primeira máquina fotográfica tinha eu os meus 12 anos, além do muito que me ensinou sobre fotografia.

Por falar nele, tenho uma prosa sobre as visitas à casa de fotografia de que era proprietário, que fiquei com vontade de publicar. Vou preparar o post e um destes dias ele é capaz de aparecer por aqui.

Bjs,

.

Sara MM disse...

vou pensar... dá que pensar(recordar!)


Bjss

José António disse...

.

Olá Sara,

Força aí nessas memórias.
Há sempre UM, pelo menos UM, livro que nunca esquecemos.

Bjs e continuação de BOAS FÉRIAS !

.

Isabel Magalhães disse...

Amigo Zé B.;

É talqualmente como dizes. As listas são várias e depende muita coisa...
Além disso ainda há os que li que foram importantes e que não tenho por me terem sido emprestados, ou provenientes de bibliotecas públicas, ou que emprestei e nunca mais voltaram.

Entretanto estou com muito trabalho e ainda não consegui digitalizar as capas da selecção quase aleatória que fiz.

Abração.

I.

José António disse...

.

Olá Isabel,

Na boa. Não há stress. Fazes quando quiseres e se quiseres.


"que emprestei e nunca mais voltaram..."

São os chamados 'emprestadados'... :)

Bjs,

.